Escolha uma Página

 

Uma dieta de alimentos processados, alergias alimentares e sensibilidades, e aditivos alimentares podem contribuir para os sintomas do TDAH. Saiba como o TDAH e a dieta estão relacionados.

Encontrar um tratamento eficaz para o TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade) é complicado.

O TDAH é uma condição multifacetada, com cerca de 50 causas subjacentes. (Veja aqui 47 dicas para ajudar você a viver melhor com TDAH)

Os medicamentos prescritos geralmente não funcionam para todos, raramente trazem mais do que um alívio parcial e têm efeitos colaterais desagradáveis.

Assim, não é de se admirar que as pessoas estejam à procura de melhores opções!

A comunidade médica é muito cética em relação às opções de tratamentos alternativos para o TDAH, incluindo dietas especiais para o TDAH.

Mas quando você considera que o alimento que você come produz os blocos de construção do seu cérebro e produz as químicas do mesmo, melhorar sua dieta faz um sentido comum.

Há duas maneiras em que sua dieta pode afetar o TDAH.

Você pode estar comendo alimentos que agravam os sintomas ou pode estar faltando nutrientes que seu cérebro necessita para funcionar na sua melhor forma.

Primeiro, vamos ver como uma dieta saudável para o cérebro e o TDAH deve se assimilar, então vamos abordar os piores criminosos na dieta que devem ser evitados.

O Que Comer: A Dieta Para o TDAH Feita de Forma Simples.

Conselhos para uma dieta tendem a ser desnecessariamente complicados.

Por isso vou simplificar:

Se você quiser comer para nutrir seu cérebro, aqui está o melhor (e mais efetivo) conselho que você irá receber:

Coma. Comida. De. Verdade.

Realmente, este conselho é simples, mas certamente não é fácil!

Seu cérebro precisa de alimentos reais para os seus hidratos de carbono complexos (para energia), proteínas (para criar os produtos químicos do cérebro), e gorduras saudáveis (para construir células cerebrais saudáveis).

Ele também precisa de micronutrientes – vitaminas, minerais, antioxidantes e fitonutrientes – para criar novas células cerebrais, proteger e reparar as já existentes.

Você vai encontrar isso em frutas e vegetais frescos, carnes, aves, frutos do mar, ovos, nozes, ervas e especiarias, e gorduras cerebrais saudáveis como no azeite e no óleo de coco.

Obviamente, nem todos podem comer todos os alimentos já que alergias alimentares e sensibilidades desempenham um grande papel no TDAH.

Mas comer alimentares não processados tanto quanto possível irá ser um longo caminho para se livrar dos piores criminosos, como o açúcar, adoçantes artificiais, glutamato de sódio, corantes e outros aditivos alimentares.

Alergias Alimentares, Intolerâncias E Sensibilidades: Qual É A Diferença?

Os termos alergias alimentares, intolerâncias alimentares e sensibilidades alimentares são frequentemente usados como sinônimos, mas eles não são exatamente os mesmos.

Alergias alimentares verdadeiras ocorrem devido a uma reação exagerada do sistema imunológico.

Intolerâncias ocorrem quando faltam enzimas para digerir um alimento, como na intolerância à lactose.

Sensibilidades alimentares são reações desagradáveis aos alimentos, tais como refluxo ácido, náuseas ou cólicas abdominais.

Dietas Para O TDAH Que Especialistas Do Cérebro Recomendam.

Enquanto a maioria dos profissionais médicos não acredita que a dieta tem muito efeito sobre o TDAH, nem todos concordam.

Aqui está o que especialistas notáveis em saúde cerebral que acreditam em tratamentos alternativos têm a dizer sobre o TDAH e a dieta:

O Dr. Mark Hyman, autor do livro The UltraMind Solution, acredita que a causa raiz do TDAH, bem como outros distúrbios cerebrais comuns, como autismo, depressão e doença de Alzheimer é a inflamação do cérebro.

As causas nutricionais mais comuns de inflamação cerebral são o açúcar, a gordura trans e alérgenos alimentares.

Ele recomenda dar ao seu sistema uma pausa dos dois piores alérgenos alimentares – trigo e leite – por seis semanas para ver se isso ajuda no seu TDAH.

O Dr. David Perlmutter é um neurologista e autor do best-seller Grain Brain: The Surprising Truth about Wheat, Carbs, and Sugar – Your Brain’s Silent Killers.

Para o TDAH, ele recomenda reduzir substancialmente o açúcar e os carboidratos refinados, enfatizando as gorduras saudáveis para o cérebro em alimentos como azeite de oliva, óleo de coco, nozes, sementes, peixes selvagens, ovos, manteiga e abacates.

Ele também recomenda manter o controle com a sensibilidade ao glúten, que está associada a problemas de atenção.

O Dr. Daniel Amen é um renomado psiquiatra, especialista em distúrbios cerebrais, com nove livros mais vendidos como crédito.

Em Healing ADD, o Dr. Amen recomenda comer alguma proteína em cada refeição, com baixo índice glicêmico, altas fontes de fibra de carboidratos (frutas e legumes), e enfatizar gorduras saudáveis.

Na Clínica Amen, os pacientes são colocados em uma dieta de eliminação de três semanas.

Em uma entrevista com a ADDitude, uma revista popular para pessoas com déficit de atenção, o Dr. Amen expressou, “É incrível como muitos adultos e crianças se sentem melhor quando eles eliminam os alimentos que contêm produtos lácteos, trigo, milho, soja ou açúcar”.

Dieta De Eliminação TDAH

Mesmo que você esteja comendo alimentos saudáveis não processados, você ainda pode estar reagindo a alimentos em sua dieta.

Ao colocar crianças em uma dieta de eliminação, um estudo descobriu que um gritante número de 64% deles tinham sintomas de TDAH causados por sensibilidade a certos alimentos.

Como é esta dieta de eliminação?

Ela consiste principalmente de arroz, carne, legumes e peras por 5 semanas.

Você pode criar sua própria dieta de eliminação.

Você pode começar por eliminar qualquer alimento que você suspeitar ser um problema por quatro semanas e veja se você nota qualquer melhoria.

Se você não sabe por onde começar, dê uma olhada nos alimentos pelos quais você implora ou come para se sentir melhor.

Ironicamente, estes são muitas vezes os alimentos aos quais você é alérgico.

Ou você pode seguir o conselho do Dr. Hyman e eliminar produtos lácteos e trigo.

O Dr. Perlmutter recomenda que você remova não apenas o trigo, mas todos os grãos que contêm glúten como a aveia, o centeio e a cevada.

Se isso não ajudar, passe para o regime do Dr. Amin eliminando lacticínios, trigo, milho, soja e açúcar.

Se precisar de mais orientação, você pode baixar o folheto de dieta de eliminação da Universidade de Wisconsin que contém um plano passo-a-passo.

Isso tudo pode levar a algumas tentativas e erros, mas vai valer a pena se ajudar você a lidar com a causa subjacente do seu TDAH.

Esta dieta de eliminação feita por você mesmo é destinada a adultos com TDAH.

Antes de tentar colocar uma criança em uma dieta de eliminação, fale com o seu pediatra.

Alimentos Para Evitar o TDAH

Comer alimentos não processados irá ajudá-lo a eliminar os piores contribuintes dietéticos para o TDAH.

Você viu como uma dieta para o TDAH deve ser em geral, mas quando se trata do funcionamento do cérebro o problema maior está nos detalhes.

Vamos dar uma olhada em algumas substâncias dos alimentos que poderiam ser uma causa oculta do seu TDAH.

Açúcar e o TDAHo acucar e o tdah

Profissionais de saúde alternativos muitas vezes acusam o açúcar como causador do TDAH, mas a medicina tradicional firmemente alega que o açúcar não é um problema.

Muitas mães de crianças com TDAH discordam totalmente.

Considerando que o açúcar é um problema enorme para a nossa saúde e para os nossos cérebros de diversas maneiras, a inocência do açúcar parece improvável.

O açúcar refinado coloca o açúcar do seu sangue em um passeio de montanha russa.

Quando o nível de glicose do seu cérebro aumenta, leva a alterações de humor, irritabilidade, cansaço, confusão mental e julgamento prejudicado.

Glucose excessiva afeta a sua capacidade de atenção, sua memória de curto prazo e a estabilidade do seu humor.

Uma dieta que é rica em açúcar e gordura saturada reduz a capacidade do seu cérebro de aprender e gerar novas células cerebrais.

O açúcar aumenta a inflamação no cérebro, um contribuinte para o TDAH.

O açúcar é tão refinado que é mais um produto químico do que um alimento, mas você ainda pode ser alérgico a ele.

E, por último, o açúcar não tem valor nutritivo algum.

Zero. Zip. Nada.

Assim, para cada caloria de açúcar consumido, seu cérebro fica pequeno para os nutrientes que necessita.

Glúten e TDAH: Mais Do Que Uma Moda Passageiragluten e dda

Atualmente, um e cada três de nós está limitando a quantidade de pão e trigo que consumimos.

Como o “esteio da vida” começou a ser um problema tão grande?

Nos últimos 50 anos, o trigo foi modificado para conter até 50 vezes mais glúten do que quando nossos ancestrais assavam o primeiro pedaço de pão.

Sabe-se há décadas que o glúten pode causar uma longa lista de problemas neurológicos, incluindo demência, dores de cabeça, convulsões, tremores, depressão, perda de memória e epilepsia naqueles que são sensíveis ao glúten.

Mas o que não foi percebido até recentemente é o quão são comuns as doença celíacas e a sensibilidade ao glúten.

A doença celíaca é uma desordem autoimune desencadeada pelo glúten, uma proteína encontrada principalmente no trigo e em outros grãos.

Enquanto os sinais mais óbvios de doença celíaca são digestivos, existem mais de 300 possíveis sintomas da doença celíaca, incluindo sintomas neurológicos e psiquiátricos.

Uma dieta sem glúten melhora significativamente o TDAH em pacientes com doença celíaca.

Mas pode ajudar aqueles que não foram diagnosticados com esta desordem?

De acordo com o Centro Nacional De Consciência Celíaca, 83% das pessoas com doença celíaca não foram diagnosticadas – sendo assim, você pode ter e não saber disso.

E você não tem que ter a doença celíaca para experimentar os efeitos negativos do trigo.

Mesmo mais pessoas tendo sensibilidade ao glúten, significa que seu corpo reage negativamente ao glúten, mas não com a montagem de uma resposta autoimune.

A maneira mais simples para determinar se o glúten é um problema para você é com uma dieta simples de eliminação.

Corte trigo e outros grãos que contêm glúten (ou seja, cevada, aveia, centeio) durante um mês.

No final do mês, volte a comer a quantidade de trigo que você costumava comer e observe o que acontece.

(Eu tentei isso e fiquei muito surpreso no quão terrível eu me senti quando voltei a adicionar trigo na minha dieta!).

E não deixe a ala dos alimentos sem glúten distraí-lo da sua missão principal – comer comida de verdade.

Biscoitos sem glúten, cereais e salgadinhos processados não são um alimento real.

TDAH E Aditivos Alimentares

A Administração de Alimentos e Medicamentos do EUA permite que 3.000 aditivos alimentares sejam utilizados em nossa alimentação.

E ninguém sabe realmente o que eles estão fazendo para nossos cérebros.

O Dr. Benjamin Feingold, um pediatra e alergista, escreveu o livro que mudou o jogo Why Your Child is Hiperative por volta de 1974.

Ele foi o primeiro médico a especular publicamente que os produtos químicos da nossa dieta estavam causando o TDAH.

Ele popularizou a primeira dieta para o TDAH que evitava aditivos alimentares artificiais e salicilatos, compostos encontrados em muitos alimentos e especialmente em frutas como maçãs e uvas.

Tão resistente quanto o objetivo principal de abraçar sua teoria, a Academia Americana de Pediatria agora concorda que a eliminação de conservantes e corantes alimentares da dieta é uma opção razoável para as crianças com TDAH.

Enquanto você ainda pode encontrar o livro de Feingold online, as informações têm décadas de idade.

Para um livro atualizado sobre a dieta Feingold, confira o Guia All Natural Mom’s Guide to the Feingold Diet.

TDAH E Adoçantes Artificiais

Um grupo de aditivos químicos que merecem uma atenção especial em relação ao TDAH são os adoçantes artificiais.

Os adoçantes artificiais são más notícias para o seu cérebro e eles não estão nos deixando mais magros.

Eles causam confusão mental, dores de cabeça, tonturas, ansiedade e depressão.

Ironicamente, eles confundem o cérebro o fazendo querer mais alimentos e bebidas doces.

Mais de 7.000 efeitos colaterais do aspartame têm sido relatados para a FDA, incluindo o aumento de sintomas de déficit de atenção. (15)

Não se iluda pensando que refrigerantes diet são uma escolha melhor do que a soda carregada de açúcar.

Cafeína E TDAH: Beber Ou Evitar?cafeina e tdah

Por último, você deve beber café por causa do TDAH ou evitá-lo?

A cafeína é a substância psicoativa mais popular do mundo.

Um monte de pessoas com TDAH bebem café, bebidas energéticas e refrigerantes com cafeína como uma forma livre de drogas para melhorar o foco e concentração.

Como você poderia esperar, a comunidade médica lança um olhar severo sobre a ideia de pacientes se automedicarem com cafeína, especialmente as crianças.

Um pouco de cafeína pode deixar você mais alerta e produtivo, mas muito pode deixá-lo nervoso, ansioso, irritado e incapaz de dormir.

Curiosamente, algumas pessoas com TDAH não são afetados por cafeína.

Outros acham que uma vez que eles começam a medicação para o TDAH, sua necessidade de cafeína diminui muito.

Se a cafeína no café é super estimulante, o chá verde pode ser uma alternativa melhor desde que a sua cafeína é equilibrada com o composto calmante L-teanina.

Ironicamente, pais que não sonhariam em dar a seus filhos uma xícara de café, entregam a eles uma lata de refrigerante em vez disso!

Nunca é aconselhável consumir cafeína, juntamente com as enormes quantidades de açúcar encontradas em refrigerantes normais ou os adoçantes artificiais encontrados em refrigerantes diet.

O resultado é que todo mundo reage de maneira diferente à cafeína, mas se você puder encontrar o equilíbrio certo – a quantidade certa de cafeína de uma fonte saudável – é relativamente baixa na escala de vícios.

TDAH e a Dieta: A Linha de Fundo

A comunidade médica é em grande parte da opinião que há pouca ou nenhuma correlação entre o TDAH e a dieta.

Mas você não tem nada a perder e muito a ganhar ao melhorar a sua dieta.

Isso significa comer alimentos não processados, evitar alimentos que causem alergias ou sensibilidade, e remover de sua dieta substâncias não nutritivas como açúcar, aditivos alimentares e edulcorantes artificiais.

Espero que essas dicas possam te ajudar na sua vida o quanto que vem em ajudando.
A algum tempo eu simplesmente reduzi drasticamente da minha vida o consumo de carboidratos,gluten,açucar além disso passei a introduzir em meu cardápio alimentos ricos em proteínas, omega3 e ácidos graxos como; carne, peixe,coco,azeite de liva extra virgem.

O resultado tem sido maravilhoso. Aumento de concentração e foco são alguns dos benefícios além de mais disposição para o dia a dia.

Forte abraço e até a próxima 😉
Alguma dica,sugestão ou dúvida? Deixe um comentário ai em baixo.

Comments

comments